Bebês que comem alimentos sólidos mais cedo dormem melhor, revela estudo




Por BBC

Uma pesquisa recém-publicada sobre alimentação de bebês pode indicar o caminho para a revisão de uma máxima, endossada por autoridades mundiais e hoje em voga, sobre a saúde dos pequenos: a de que eles só devem ser alimentados com leite materno até os seis meses de idade.

Em um estudo publicado no periódico JAMA Pediatrics, cientistas britânicos compararam indicadores de sono entre dois grupos: o primeiro, de bebês que, aos três meses, passaram a comer alimentos sólidos além do leite materno; e o segundo grupo, de bebês que só o fizeram a partir dos seis meses.

Foi justamente aos seis meses de idade que as diferenças se tornaram mais evidentes: o primeiro grupo dormiu cerca de 16 minutos a mais por noite (quase duas horas a mais por semana) e acordou com menos frequência durante o período (1,74 por noite contra duas vezes por noite).

No entanto, especialistas ainda indicam que as famílias sigam a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), de alimentação exclusiva com leite materno até os seis meses.

O estudo foi conduzido por pesquisadores das universidades King’s College e Saint George, em Londres, e acompanhou 1.303 bebês. Famílias preencheram questionários online até os três anos de idade de suas crianças.

Percepção das mães

O estudo confirmou uma percepção que muitos parentes já tinham, pelo menos na Grã-Bretanha.

Apesar das recomendações oficiais, uma pesquisa de 2010 mostrou que 75% das mães britânicas davam alimentos sólidos a seus bebês antes dos cinco meses, sendo que um quarto (26%) justificou a decisão com o argumento de que isto melhoraria o sono dos bebês à noite.

“Os resultados desta pesquisa (publicada no JAMA Pediatrics) apoiam a ampla percepção parental de que a introdução mais precoce de alimentos sólidos melhora o sono”, diz Gideon Lack, pesquisador da King’s College. “Sugere-se que a recomendação oficial seja reexaminada sob a luz das evidências que reunimos.”.

Já Michael Perkin, da Universidade de Saint George, apontou que as diferenças entre os grupos analisados podem parecer pequenas, mas representariam grandes benefícios para os pais.

“Considerando que o sono dos bebês afeta diretamente a qualidade de vida dos pais, até uma pequena melhora pode trazer benefícios importantes”, afirma Perkin.

O grupo dos bebês que receberam alimentos sólidos precocemente registrou metade da incidência de problemas no sono como choro e irritabilidade do que o outro grupo – indicando condições mais favoráveis para que os pais pudessem voltar a dormir.

Ao comentar o estudo, Mary Fewtrell, líder no departamento de nutrição do Royal College of Paediatrics and Child Health (RCPCH, na sigla em inglês, órgão que supervisiona a saúde infantil no Reino Unido), destacou que as recomendações sobre alimentação de bebês estão atualmente sob revisão de autoridades britânicas.

“A base de evidências para o conselho em voga hoje pela alimentação exclusiva (até os seis meses) tem mais de dez anos de idade”, aponta Fewtrell. “Esperamos ver recomendações atualizadas sobre alimentação infantil em um futuro não muito distante”.

Quais alimentos dar ao seu bebê

A alimentação do bebê nos primeiros seis meses de vida pode ser um assunto controverso; muitas mães acabam sentindo-se julgadas se não conseguem amamentar direito ou se introduzem mamadeiras ou alimentos sólidos.

No mês passado, o Royal College of Midwives (instituição que forma enfermeiras-parteiras no Reino Unido) reagiu a essa pressão sentida pelas mulheres ao declarar publicamente novas diretrizes para que profissionais de saúde respeitem a escolha de uma mãe de não amamentar.

O estudo sobre alimentos sólidos publicado no JAMA Pediatrics foi parcialmente financiado pela Food Standards Agency (FSA, na sigla em inglês, agência de segurança alimentar britânica), que também analisou como as alergias se desenvolvem em bebês.

Um porta-voz da FSA disse: “Estamos encorajando todas as mulheres a seguir os conselhos atuais para exclusivamente amamentar pelos primeiros seis meses de idade”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *