Dicas para economizar: revisão e pequenas atitudes fazem diferença




Por Auto Esporte

Com a mudança na política de preços da Petrobras, os brasileiros estão sofrendo mais com a variação da gasolina e do diesel. Desde julho do ano passado, a variação tendeu para a alta, afetando o bolso e a economia em geral.

Veja abaixo quais maus hábitos ao volante podem fazer o carro “beber” mais, o que significa praticamente jogar dinheiro fora pelo escapamento.

Além disso, aprenda como calcular o consumo do seu veículo, reconhecer um combustível adulterado e checar componentes que afetam quanto combustível você usa.

Revisão

Antes de partir para dicas mais sutis, vamos ao básico. Você fez a revisão do carro? Na questão de consumo, é essencial estar em dia principalmente com filtro de ar, filtro de combustível, velas, cabos de vela, alinhamento e balanceamento.

Vai trocar de carro?

Talvez seja a hora de dar mais importância aos números de consumo do que potência ou beleza. Em 2017, o Inmetro mediu o consumo de 987 carros, entre modelos e versões. Os mais econômicos são híbridos (e caros), mas também há opções mais em conta entre os 10 mais eficientes.

Calculando o consumo

Aprenda a calcular o consumo de seu carro

Carros mais modernos já possuem computador de bordo que calculam o consumo médio e instantâneo, mas dá pra fazer “na raça” também:

  • Zere o odômetro parcial e complete o tanque;
  • Rode pelo menos 200 km para ter uma boa média;
  • Complete o tanque novamente e anote o número de litros;
  • Divida o total rodado em km pelo volume dos litros;
  • Pronto, você tem uma média de consumo (km/l);
  • Repita o processo e faça um histórico do consumo.

Combustível adulterado?

É normal que em momentos de alta nos preços os motoristas busquem mais promoções e postos com preços mais baixos. No entanto, desconfie quando a esmola é demais.

O consumo médio pode aumentar 30% se o combustível não é limpo de impurezas como solventes e querosene. A conta pode sair ainda mais cara se o combustível adulterado estragar peças importantes.

Mudança de hábitos

Veja hábitos que aumentam o consumo de combustível

O carro pode dizer muito da personalidade do motorista. Veja se você tem costume de fazer algo que aumenta o gasto com combustível:

  • Pé de chumbo – evite aceleradas bruscas e desnecessárias. Elas afetam muito a média de consumo.
  • Alta rotação – uma das funções do conta-giros do painel é dar subsídio ao motorista para conseguir a maior velocidade com a menor rotação do motor (não a maior).
  • Vidros abertos – andar com a janela aberta interfere na aerodinâmica e no consumo, principalmente a mais de 80 km/h.
  • Rotas – tudo bem que hoje quem escolhe o caminho é o GPS do celular, mas se você sabe como chegar, tente pegar rotas com menos semáforos e curvas.
  • Na banguela? – aquele costume de deixar o carro em ponto morto em descidas é coisa do passado. O veículo engrenado gasta menos porque a injeção corta o combustível.
  • No trânsito – próximo aos semáforos, por exemplo, diminua a velocidade se estiver vermelho. Evite o “zigue-zague” e freadas bruscas.
  • Pneus – a calibragem influencia diretamente no consumo e deve ser feita pelo menos a cada 15 dias.
  • Luz no painel – não ignore a luz de injeção acesa no painel. Pode ser uma pequena falha, mas também pode aumentar o consumo.
  • Peso – quanto mais pesado, mas o veículo consome. Então retire o “armário” do porta-malas.
  • Troca de marcha – uso do câmbio deve ser suave, sem necessidade de “esticar” a marcha. Andar com uma marcha alta em baixa velocidade também aumenta o consumo.
  • Velocidade – outra atitude eficiente é não andar em altas velocidades. Um carro consome cerca de 20% a mais quando está a 100 km/h do que quando está a 80 km/h.
  • Rotina – Se o trajeto for curto, deixe o carro em casa. Um pouco de exercício não faz mal a ninguém.

Álcool ou gasolina?

Para ver qual é mais vantajoso, você pode acessar a calculadora de combustível do G1 ou então simplesmente multiplicar o preço da gasolina por 0,7. O resultado é o preço máximo que o etanol vale a pena.

Por exemplo, se o litro da gasolina custa R$ 3,50, multiplique este valor 0,7. O resultado é 2,45. Então, o etanol seria vantajoso até R$ 2,44 o litro. Se for R$ 2,45, dá na mesma. Se for mais do que isso, não compensaria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *