Hospital Clélia Rebouças de Mutuípe volta a ser alvo de denúncia

Novas denúncias encaminhadas nesta quarta-feira, 2, indicam que o Hospital Clélia Chaves Rebouças – HCCR em Mutuípe fez uma série de demissões e os servidores afastados alegam o não pagamento de salário em atraso, a rescisão, bem como outros direitos trabalhistas, a exemplo do FGTS. Uma funcionária, que trabalhou por vários anos, se disse decepcionada por nem mesmo conseguir entrar na unidade hospitalar, depois que foi afastada.
 
O HCCR é administrado pela Associação de Proteção a Maternidade e a Infância de Mutuípe – APMIM, e se mantem com uma pactuação junto a SESAB – Secretaria de Saúde do Governo do Estado da Bahia.
 
Ainda segundo as informações do grupo de funcionários demitidos, 11 no total, foi de se estranhar que novos profissionais já tenham sido contratados para substituí-los uma vez que a alegação da diretoria do Hospital, para as demissões, era o corte de verbas feito pela Secretaria de Saúde do Estado.
 
Em agosto e novembro do ano passado, os vencimentos salariais, de acordo com denúncias de servidores, chegaram a acumular até três meses de atraso.
 
A reportagem do b1 tentou contato com o hospital, e um dos diretores informou que a D. Célia, a presidente da Associação de Proteção a Maternidade e à Infância de Mutuípe, disse que atenderia à reportagem somente nesta quarta-feira, 3. As informações são do b1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *