PT dá a vice Haddad estrutura de campanha de candidato a presidente

por Catia Seabra | Folhapress

Com aval do ex-presidente Lula, Fernando Haddad, candidato a vice na chapa do PT ao Planalto, montou uma estrutura de campanha que inclui assessoria e segurança que serão custeados pelo partido. O fotógrafo Ricardo Stuckert foi designado diretamente por Lula para acompanhar Haddad, em uma demonstração de que o ex-prefeito de São Paulo é sua aposta para substitui-lo quando a Justiça Eleitoral o declarar inelegível.

Um dos principais assessores de Lula, Stuckert está na equipe desde o dia 5 de agosto, quando o PT oficializou Haddad como vice na chapa à Presidência. Os demais integrantes do staff foram escalados esta semana, em movimento que ainda esbarra na resistência de parte da cúpula petista, que gostaria de retardar a largada oficial de Haddad.
Dispostos a deter o avanço do ex-prefeito, integrantes do partido criaram uma espécie de “comando maior”, sob o qual estariam subordinadas decisões de campanha como agenda de viagens e concessão de entrevistas. Liderado pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann, esse grupo inclui ainda o ex-presidente da Petrobras Sérgio Gabrielli e o ex-ministro Ricardo Berzoini. A tese desses petistas é de que colocar Haddad na rua pode reforçar a ideia, já corrente, de que Lula não será de fato candidato.
Alheio a esse argumento, o próprio Lula autorizou que a equipe de Haddad iniciasse os trabalhos na véspera do registro de sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral, que ocorrerá nesta quarta (15). O ex-presidente fez prevalecer sua avaliação de que o ex-prefeito deve ser seu porta-voz, desde que reafirmando sua candidatura e compromissos programáticos.

Nesta terça (14), ao desembarcar em Brasília para um evento com empresários, Haddad já estava ladeado por quatro assessores e um segurança que, antes, acompanhava a comitiva de Lula. Além do fotógrafo, o candidato a vice petista escalou homens de sua confiança para a equipe, como Laio Morais, espécie de secretário pessoal, Nunzio Briguglio, assessor de imprensa, e Frederico Assis, que cuidará de sua agenda de compromissos.

Amigo do ex-presidente, o ex-ministro Luiz Dulci será o coordenador de agenda da campanha. Já Marco Aurélio Ribeiro, emissário de Lula na prisão em Curitiba, também vai colaborar com Haddad.

Registrada a candidatura de Lula nesta quarta, o ex-prefeito assumirá uma estratégia que obedece à lógica estabelecida pelo ex-presidente de que, mais uma vez, esta será uma eleição polarizada entre direita e esquerda. Lula avalia que só há espaço para um nome de cada campo no segundo turno e trabalhou, de dentro da cadeia, para desidratar a candidatura de Ciro Gomes (PDT), potencial adversário do PT.

Para os petistas, o concorrente ideal no segundo turno seria Jair Bolsonaro (PSL), devido aos altos índices de rejeição ao capitão reformado. Pela tática desenhada, Haddad insistirá na associação de Geraldo Alckmin, candidato do PSDB, ao governo impopular de Michel Temer, sob o argumento de que o povo precisa saber o perfil exato de quem está votando. O ex-prefeito tem que o tucano esconde que foi aliado de primeira ordem da gestão emedebista e tem em sua aliança partidos da base de Temer.

Essa estratégia teria dois objetivos: driblar a dificuldade de desgastar Bolsonaro –que tem sobrevivido às tentativas de desconstrução– e contaminar a imagem do tucano, caso seja ele o adversário do PT em um segundo turno.

Os petistas avaliam ainda que, como maior interessado na disputa pelos votos mais à direita, é Alckmin quem deve assumir a tarefa de neutralizar o candidato do PSL.

Nesta terça, Haddad falou a uma plateia de empresários em nome de Lula. Apresentou propostas em diversas áreas mas guardou para o fim do evento, durante entrevista a jornalistas, o recado mais assertivo à ministra Rosa Weber, que assumiu o comando do TSE.

Segundo o ex-prefeito, a magistrada não deve se sujeitar a pressões ao julgar o recurso do ex-presidente em relação à Lei da Ficha Limpa. “Ela tem que julgar de acordo com a lei, não de acordo com a pressão ou telefonemas que venha a receber. Ela é uma ministra respeitável e não tem que se sujeitar à pressão de ninguém. Queremos o cumprimento da lei e que o recurso de Lula seja julgado com critério.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *